Palavras, letras, gestos, tons…

Vamos pensar em palavraspalavras que nem sempre são ditas, mas que se expressam no rosto, nos gestos, nos olhares…

Pensando em termos mais técnicos, há de se prestar muita atenção ao que se expõe em forma de letras e símbolos, já que por muitas vezes, palavras podem ser retorcidas, distorcidas e contorcidas pelos interlocutores. Quando a conversa é cara a cara, olho no olho, digamos que as controvérsias podem ser menores, mas quando pensamos em e-mails e, principalmente, em mensagens pelas redes sociais, SMS e WhatsApp, temos que redobrar a atenção.

Palavras escritas não tem entonação e mesmo utilizando os recursos digitais, como aspas, negrito, caixa alta e emojis, ainda assim quem a recebe pode interpretar de maneira errada o que você realmente queria dizer.

pexels-photo-239329.jpeg

 

E você já parou para pensar no poder que as palavras têm? Estudos demonstram que ditos e frases repetidos na infância viram verdades no cérebro, que muitas vezes, podem ser limitantes. Crenças como “tempo é dinheiro” ou “dinheiro é sujo” são colocadas em nosso subconsciente e podem vir a atrapalhar seriamente o desenvolvimento profissional e social daquele que por anos escutou, da boca de seus pais, tais ditos.

Mas como escolher as palavras certas?

Bem, pensamos primeiro em idade. Com quem você está conversando, qual o nível intelectual que a pessoa tem?

Não adianta rebuscar as palavras para conversar com uma criança ou com uma pessoa de pouco estudo e cultura, a não ser que a sua única intenção seja provocar estranheza, “respeito” ou descaso. E o engraçado é: isso é o que mais vemos os nossos renomados políticos fazerem; usarem de vocabulário difícil a fim de impressionar os ignorantes, mas isso já não tem mais tanto efeito assim, só não contem para eles, ok?

As palavras devem ser ditas com clareza, com o português correto e simples. Se você pretender convencer alguém, terá que estudar sobre persuasão e programação Neurolinguística.

Se você pretende dar aulas a adolescentes, é melhor se inteirar das novas tendências de gírias e tentar ser mais leve e coloquial.

Se você quer que crianças pequenas lhe deem ouvidos e gostem de suas histórias, é melhor narrá-las com emoção, usando de gestos e vozes a gosto do freguês. Abuse da entonação e, principalmente, das cantigas e momentos de suspense.

pexels-photo-164835.jpeg

Se deseja conversar com a terceira idade, estude e se informe, ou corre o risco de passar vergonha. Com a tecnologia, muita gente esqueceu dos livros, que moram nas cabeceiras dos mais velhos, e você corre um grande risco de parecer repetitivo ou de falar de algo que eles já estão cansados de saber. Essa idade precisa do novo, mas um novo inteligente, que não canse, que não os tente enrolar ou enganar, uma história leve, que os faça rir e lembrar dos momentos bons da vida. Nada de assuntos sérios e pesados demais. Deixe isso para os jornais e programas jornalísticos.

Enfim, agora pense: o que eu quero que ele escute?

Como assim? É isso mesmo. O que você deseja que a pessoa com quem está falando entenda? Você deseja que ela sinta amor ou repulsa? Raiva ou compaixão?

Você pode dizer a mesma história e conseguir que torçam para o mocinho ou para o vilão, basta narrar pelo ângulo desejado.

Seja assertivo

Se você deseja ser assertivo, e mais do que um comportamento, quer que seja sua filosofia de vida, vale a pena estudar a respeito e treinar para tal. A assertividade é uma filosofia de relacionamento humano com soluções ganha-ganha. Ela é o ingrediente secreto e perfeito para os relacionamentos saudáveis, sejam eles pessoais ou profissionais.

O que é assertividade?

Assertividade é um termo que se origina de asserção. Fazer asserções quer dizer afirmar, do latim afirmare, tornar firme, consolidar, confirmar e declarar com firmeza.

Nas relações sociais assertivas, os dois lados ganham, é uma relação interdependente, a comunicação é transparente e as pessoas exprimem suas necessidades, pensamentos e sentimentos de forma honesta e direta, sem violar o mesmo direito dos outros.

Muitos acham que ser assertivo é apenas ter uma comunicação sincera e objetiva, falando sem pensar, “doa a quem doer” ou “custe o que custar”, e isso acaba criando uma resistência nas pessoas, já que há uma baita distorção de comportamento.

A pessoa assertiva tem desenvoltura e flexibilidade para se mover entre comportamentos construtivos, influenciando os processos através da expressão honesta e clara de seus sentimentos, opiniões e necessidades, ora podendo ser influenciado ou influenciando, ouvindo opiniões divergentes, pedindo e oferecendo ajuda.

Então, quando for escolher as suas palavras, lembre-se de ser assertivo e prestar atenção ao seu tom de voz, sua postura corporal, suas expressões faciais… Elas desnudam suas intenções e podem corromper as suas palavras.

Exemplificando

Isso é amor?

Se tal frase foi dita com doçura, pode-se dizer que alguém está observando um casal se abraçando. Já essa mesma frase, em tom de sarcasmo, pode significar: tem certeza que isso é amor?

Viu? Não é compreensível e necessário pensarmos em nossas atitudes e palavras?

Não vou dizer que não há falhas. Sempre haverá quando se tratar de um ser humano, com sentimentos e verdades. No entanto, se por um mínimo esforço, tentarmos escolher as palavras a fim de que o outro escute o que desejamos realmente expressar, o mundo será muito melhor.

Gestos e comportamentos – Rindo um pouquinho do assunto

Se sairmos do campo das palavras ditas e pensarmos em como gestos demonstram frases inteiras, fica ainda mais divertido observar os seres humanos.

converse-2521534.jpg

Por exemplo, porque um adolescente acha que quando bufa, você vai entender “tudo bem”, se na verdade, ele queria dizer “que saco” ou “logo agora?”. Devíamos fazer um dicionário só para traduzir as batidas de portas, os pés pesados pela casa e os olhos de tristeza que eles naturalmente exprimem e acham, que nós, não estamos percebendo.

E aí você fala:

– O que houve? Porque está com vontade de chorar?

E ele responde:

– Eu não. Tô bem.

Para os adultos é tão claro, tão óbvio, e eles realmente acreditam que nós não percebemos. Ai, quem dera! Talvez assim as mães não se preocupariam tanto…

E é assim a vida, palavras soltas, palavras presas e sufocadas, palavras que devem ser ditas, palavras que são melhores esquecidas… Palavras que não devemos esquecer nunca, palavras que devemos dizer repetidamente, antes que seja tarde demais.

Eu faço a minha lista, e você, já fez a sua?

Gratidão, amor, amizade, caridade, compreensão, paz…

 

 

Robert De Niro se cura do câncer de próstata

Não. Não foi semana passada que isso aconteceu, mas o título foi elaborado justamente para puxar seu interesse em ler esse artigo até o fim, não só para falarmos do novembro Azul, mas também para falarmos do célere Robert De Niro.

Começamos o mês de novembro, chamado de novembro azul. Tal como o outubro rosa é um mês para se destacar a importância do câncer de mama, o novembro azul vem para lembrar da não menos importante prevenção do câncer de próstata.

É de grande importância a prevenção de todo tipo de doença, é verdade, mas o câncer é mortal e quando descoberto cedo, tem grandes chances de cura.

Como tudo começou?

Bem, fora do Brasil, a campanha é chamada de Movember, ou seja, a junção das palavras Moustache (bigode) + November (novembro). Esse movimento começou na Austrália, em 1999, quando um grupo de amigos resolveu deixar o bigode crescer durante todo o mês de novembro como apoio à conscientização da saúde masculina e arrecadação de fundos para doação às instituições de caridade. Esse mês foi escolhido, porque no próximo dia 17 é o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata.

A campanha fez tanto sucesso, que em mais alguns anos, todo a Austrália estava participando. A ideia é que não só os homens deixassem seu bigode crescer, mas que as mulheres apoiassem usando a cor azul em suas vestimentas ou bigodes falsos, espalhando assim, a conscientização da importância do cuidado com a saúde do homem, tendo, como foco principal, o câncer e a depressão.

A campanha se chamou No Shave November, que seria novembro sem se barbear. O bigode passou a ser pouco e muitos passaram a deixar crescer também a barba. Aqui no Brasil, continuamos chamando de novembro azul, já que além do bigode, o azul é a cor da campanha.

Esse movimento veio parar no Brasil através do Instituto Lado a Lado pela Vida, em parceria com a Sociedade Brasileira de Urologia. Apesar de ainda em crescimento, no ano passado, foram realizadas 2.200 ações oficiais, em todo o país, inclusive a iluminação azul em nossos pontos turísticos. São diversas celebridades apoiando a causa para, não só espalhar informação, como também arrecadar dinheiro para a causa.

O movimento de tanto sucesso, com tanta aprovação da sociedade em geral, nos faz celebrar o apoio à vida e, por conta desse enorme envolvimento da sociedade, hoje podemos comemorar que o Novembro Azul já faz parte do calendário nacional de prevenções.

Sobre o câncer de próstata

O câncer acontece quando um grande número de células começa a se multiplicar desordenadamente na próstata, sendo esse o segundo tipo de câncer mais morta, entre os homens.

As estatísticas indicam, também, que um, em cada seis homens, é alvo desta doença; que há uma morte por câncer de próstata, a cada quarenta minutos e que é o sexto tipo de câncer mais frequente no mundo. Não podemos brincar com essas estatísticas, não é mesmo?

A doença é perigosa por seu caráter silencioso. Sem sintomas, o homem não percebe que tem a doença até que ela esteja fora de controle, daí a importância dos exames periódicos preventivos, já que no início da doença, são grandes as chances de cura.

Homens e o Câncer

Vários famosos já brigaram contra esse câncer e muitos deles venceram, como Robert De Niro, Jayme Monjardim, Martinho da Vila, James Brown, entre outros.

Hoje, vamos focar em Robert De Niro, um grande ator e pessoa muito aclamada em todos os sentidos. Apesar dos poucos detalhes revelados à imprensa, sabemos que aos 60 anos, ou seja, em 2003, Robert De Niro descobriu um câncer de próstata em estágio inicial, graças aos exames frequentes que sempre fez de rastreamento, já que seu pai, algumas décadas antes, também foi acometido pela mesma doença.

Robert (olha a intimidade), terminou o tratamento e foi novamente papai, pela sexta vez em 2011, aos 68 anos.

Robert De Niro

Seu nome de nascimento é Robert Anthony De Niro Jr., ele é americano e nasceu em 17 de agosto de 1943 na cidade de Nova York, EUA.

Considerado um dos maiores atores da história do cinema, Robert De Niro começou a chamara a atenção do público em A Última Batalha de um Jogador, em 1973. Seus personagens sempre foram emocionalmente instáveis e isso só demonstrava o seu dom de atuar. Todo papel novo era desafiador, como em Touro Indomável, em que ele engordou vinte e cinco quilos.

Não tinha como a Academia de Artes Cênicas Cinematográficas não reconhecer tamanha dedicação, tanto que lhe concedeu dois Oscar. O primeiro se deu no papel coadjuvante em O Poderoso Chefão 2, e o segundo como protagonista por Touro Indomável. Isso até a década de 1990.

A partir dessa época, Robert De Niro passou a usar sua imagem de durão em comédias fantásticas como Entrando Numa Fria, em 2000. Em 1995 ele contracenou pela primeira vez com Al Pacino, outro ícone de sua geração, em Fogo Contra Fogo.

Seus feitos não pararam no cinema. Para auxiliar na recuperação de Nova York após os atentados de 11 de setembro de 2001, o ator fundou, o Tribeca Film Festival. E desde então, o festival tem se destacado ao promover o cinema mundial na maior cidade dos Estados Unidos.

Não podemos deixar de relembrar seus melhores filmes: O Poderoso Chefão 2, Homens de Honra, Os Bons Companheiros e Os Intocáveis.

 

Amantes do cinema ou não, dificil encontrar alguém, diga-se com mais de 35 anos, que não conheça a celebridade. Seu dons de interpretação, seu carisma, e seu rol de filmes o deixarão eternizado como ícone do cinema mundial. Sua interpretação é tão fantastica que muitos devem ter se pego torcendo por ele nos filmes, mesmo quando este foi o vilão, não é mesmo?

E diga-se de passagem, nem rude nem delicado, ou não, seu charme é encantador, seja qual papel esteja atuando, mas pessoalmente eu gosto mais dos mafiosos.

Film Title: Little Fockers

Se celebridades como ele divulgassem mais suas próprias ações de prevenções, talvez os homens mais arraigados e fãs dos filmes de ação, poderiam ser menos resistentes aoa exames, não acha?

Que a imagem de cura e força de Robert De Niro corra de boca em boca, ou de monitor em monitor, e corra através das redes sociais, para que muitos se lembrem da importância desse mês. Quer fazer parte disso? Compartilhe em suas redes sociais e convide seus amigos a fazerem o mesmo.

 

Chiquinha Gonzaga – Mulher…

Chiquinha Gonzaga é o nosso assunto do mês. Nesse mês cor de rosa, há de se homenagear uma mulher com tamanha fibra e talento. A compositora e maestrina carioca Chiquinha Gonzaga (1847-1935), faria aniversário no último dia 17 de outubro, e uma data como essa não podia passar desapercebida pelo Nem Rude Nem Delicada.

Ela se destacou, na história da cultura brasileira, pelo seu pioneirismo e pela luta pela liberdade no país. Dona de uma coragem gigante, enfrentou a opressora sociedade patriarcal da época, e criou a profissão de maestrina, inédita para mulheres na sociedade, causando um grande escândalo. Chiquinha era uma pessoa de espírito livre e sua paixão pela música era enorme.

Ela incorporou ao seu piano todas as diversidades de ritmos que encontrou, sendo assim responsável por produzir uma obra fundamental para a formação da música brasileira.

Chiquinha Gonzaga

Seu nome era Francisca Edwiges Neves Gonzaga, nascida em 17 de outubro de 1847, através da união de José Basileu Neves Gonzaga, militar de importante linhagem no império, com a filha de uma escrava chamada Rosa.

Francisca cresceu numa sociedade adversa e em época de grandes transformações. Ela escrevia, lia, sabia matemática e ainda estudava o catecismo e tudo o que as meninas da época aprendiam. Além disso tudo, aprendeu a tocar piano, sua grande paixão. Esta foi educada para ser uma dama de salão e, aos 16 anos, casou-se com um promissor empresário que fora escolhido por seu pai. Quase enlouquecendo o marido, ela andava pelas ruas na companhia de boêmios e continuava tocando e se dedicando ao piano, ao qual ele encarava como um rival ,a sua atenção.

Muito rebelde e determinada, abandonou o casamento ao se apaixonar por um engenheiro chamado João Batista de Carvalho e foi viver com ele, levando consigo apenas o seu filho mais velho, João Gualberto, já que o ex-marido a impediu de levar os outros dois – Maria do Patrocínio e Hilário.

Com 18 anos, seu ex-marido moveu uma ação judicial de divórcio perpétuo no Tribunal Eclesiástico, por abandono de lar e adultério, ocasionando um enorme escândalo com seu nome. Já se pode imaginar como a sociedade da época agiu, fechando para ela as portas dos salões e dos encontros da burguesia.

Morando então com João Batista de Carvalho, Chiquinha Gonzaga teve outra filha, chamada Alice. Apesar de muito apaixonada pelo marido, cansou de suas traições e resolveu separar-se dele e ,mais uma vez, foi impedida de criar sua filha. Chiquinha Gonzaga passou a viver apenas com seu primogênito. Ela então, emerge no cenário musical do Rio de Janeiro em 1877, após tantas desilusões amorosas e condenações por uma sociedade tão cruel, precisando sobreviver do que sabia fazer: tocar piano. Nenhuma mulher antes fora tão ousada. Tocar piano ou até mesmo, compor, não era incomum às senhoras da época, porém sempre restrita aos cenários domésticos privativos. Ela foi a pioneira não só como músico, mas pelo tipo de música que tocava, que era alegre e agitava os salões de dança da sociedade.

A atividade como musicista exigia talento, determinação e muita ousadia, o que não faltava à Chiquinha em sua personalidade.

capa_atraente-e1449625857826

Ela estreou como compositora de polca Atraente, cujo grande sucesso foi mais um fardo para sua reputação. Ela se mantinha com o dinheiro recebido por dar aulas em casas de família e como pianista num conjunto do flautista Joaquim Callado.

Com o passar dos anos, ela aperfeiçoou sua técnica e começou a escrever partituras para o teatro musicado. Em 1885, estreou no teatro com a opereta A corte na roça, representada no Teatro Príncipe Imperial, ocasião em que a imprensa não sabia como trata-la, já que não existia uma palavra no feminino para maestro.

Ao longo de sua vida e renomada carreira de maestrina, Chiquinha Gonzaga preparou músicas para dezenas de peças de teatro para os mais diversos gostos e gêneros. Em 1889, ela regeu um concerto de violões, no Teatro São Pedro de Alcântara, promovendo esse instrumento na sociedade.

Com a mesma audácia de sempre, era militante política e participava de todas as grandes causas sociais que aconteciam, denunciando assim, o preconceito e o atraso social. Com todo a sua energia abolicionista, vendia partituras para angariar fundos para a Confederação Libertadora e, com esse dinheiro comprou a alforria de José Flauta, um escravo músico.

No fim do século XIX. Criou a marcha Ó abre alas, que até hoje encanta e diverte nos carnavais.

Aos 52 anos de idade, já consagrada, Chiquinha Gonzaga conheceu um jovem português de 16 anos, chamado João Batista Fernandes Lage, esse seria seu companheiro para o resto de sua vida. A sua paixão foi de novo alvo das críticas sociais, já que ele tinha idade para ser seu filho, em uma época em que apenas homens podiam se relacionar com mulheres muito jovens. Viveram então, um amor às escondidas e mudaram-se para Lisboa, morando por lá durante algum tempo.

Ao voltar para o Brasil, ficaram juntos até o final de sua vida, sempre em segredo, revelando para a sociedade que eram apenas amigos e ela dizia que o tinha como um filho.

Como autora de músicas de sucesso, Chiquinha sofreu uma grande exploração em seu trabalho, o que a fez fundar, em 1917, a primeira sociedade protetora e arrecadadora de direitos autorais do país, a Sbat. Com a graça de Deus, teve seu reconhecimento aclamado em vida, sendo festejada pelo público e pela crítica.

Dona de uma personalidade exuberante, Chiquinha Gonzaga, foi a compositora que trabalhou com mais intensidade a transição entre a música estrangeira e nacional, sendo assim, definiu os rumos da música propriamente brasileira, que seria consolidada nas primeiras décadas do século XX.

Seu grande amor, João, foi responsável em preservar seu acervo musical. Chiquinha faleceu em 28 de fevereiro de 1935, aos 87 anos, no Rio de Janeiro.

chiquinha-gonzaga-49199

A música alcançou seus dias de glória por suas mãos e há de se ressaltar que Villa-Lobos, por exemplo, nessa época ainda usava, literalmente falando, fraldas, já que este era 40 anos mais jovem do que ela.

Seus feitos foram inúmeros e sua importância indiscutível para a sociedade, em todos os aspectos.

Em 1999, sua história inspirou a minissérie de grande sucesso que levava seu nome como título. Em 2012, o dia de seu nascimento (17 de outubro) foi oficializado como o Dia da MPB.

Esperamos, sinceramente, que este artigo seja fonte de inspiração para muitas mulheres que ainda acham que precisam se submeter e aguentar os insultos dos homens à sua volta ou algum tipo de opressão. Não só nos lares aonde ainda se vê a violência doméstica, mas também no trabalho, aonde ainda se vê casos de mulheres que ganham menos que homens, mesmo estando nos mesmos cargos e com a mesma experiência.

Não estamos falando de feminismo, estamos falando de direitos iguais em todos os sentidos, seja em raça, gênero ou classe social. Igualdades para todos os lados e acabar de vez, com essa falsa condição de liberdade que ainda fingimos existir na sociedade brasileira.

Outubro Rosa

Chegou o outubro Rosa, um movimento iniciado na década de 1990, para estimular à população a participar no controle do câncer de mama. Nesse mês são inúmeros eventos e informações amplamente difundidas nas redes sociais, com o intuito de conscientizar a todos sobre a doença e proporcionar acesso aos serviços para diagnosticar o câncer de mama e seu tratamento, reduzindo assim, o número de mortes pela doença.

Desde 2010, o INCA – Instituto Nacional do Câncer, participa do movimento, promovendo eventos técnicos, debates, e apresentações falando sobre o câncer de mama, além de distribuir materiais educativos sobre detecção e prevenção precoce da doença.

O que é o câncer de mama e como ele acontece?

O câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação de células anormais da mama, que acabam formando um tumor. Entre os mais variados tipos de câncer de mama, existem os de desenvolvimento mais lento, e os com desenvolvimento rápido, daí a importância de detectar e começar o tratamento logo no início da doença, aonde as chances de cura são bem significativas.

O câncer de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres em todo o mundo, respondendo a 25% dos casos novos de câncer a cada ano. No Brasil, esse percentual sobre até 28,1%.

cancer-1007550

Detecção da doença

O câncer de mama, quando detectado nas fases iniciais, pode ser tratado e ter grandes chances de cura, quando comparado aos outros tipos de câncer que acometem as mulheres. A maioria dos cânceres de mama são descobertos pelas próprias mulheres no autoexame.

Além de estar atenta ao seu próprio corpo, é muito importante que, mulheres de 50 a 69 anos, façam uma mamografia de rastreamento, mesmo quando não há sintomas, numa frequência de dois em dois anos. Esse exame pode ajudar a detectar o câncer antes do início dos sintomas.

O que é mamografia?

É uma radiografia feita nas mamas, por um equipamento de raio x, chamado mamógrafo, que identifica alterações.

Essa mamografia de rastreamento, ajuda na diminuição de mortes causadas por câncer de mama.

Benefícios de fazer a mamografia de dois em dois anos

  • Descobrir o câncer logo no início, tendo assim, a oportunidade de um tratamento menos agressivo.
  • O tratamento precoce, diminuindo as chances de morte pela doença.

O tratamento do câncer de mama

O tratamento varia de acordo com o grau de desenvolvimento do tumor, que após análise médica, definirá se o tratamento será feito por quimioterapia, radioterapia ou cirurgia. Além disso, as características do tumor e da mulher, como entrada na menopausa e outras doenças, também irão afetar a decisão sobre o tipo de tratamento a ser utilizado.

Os tratamentos são indicados para os tumores detectados como malignos. Os benignos, normalmente, são tratados com vigilância do nódulo, para que se tenha o controle sobre tamanho, estrutura e possíveis outros nódulos que possam surgir na mama.

Quando se encontra um câncer de mama metástico, com um tumor muito desenvolvido, pode ser necessário utilizar vários métodos de tratamento ao mesmo tempo, com o objetivo de combater as células cancerígenas e aumentar as chances de cura.

Sabemos que a retirada parcial ou total da mama, é um momento muito difícil para toda mulher, mas temos que levar em consideração que, nos dias atuais, existem inúmeras formas de reconstrução da mama, e lembrar que o apoio da família nesses casos é imprescindível.

Os florais e o câncer de mama

O Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco, oferece uma terapia floral em combinação a medicina tradicional. Essa terapia busca oferecer um equilíbrio emocional e uma melhor qualidade de vida aos clientes.

bach-2785140.jpg

A terapia floral tem como objetivo aliviar o sofrimento do paciente com qualquer tipo e estágio de câncer, aliviando a ansiedade, melhorando o sono, aumento da autoestima, diminuição da percepção da dor e tranquilidade interior.

Mais uma vez, vemos a mãe natureza nos ajudando no combate a doenças, como um presente oferecido aos seres humanos, apesar de nós não sermos tão recíprocos no que concerne a cuidar da natureza, como ela cuida de nós.

Vencendo o câncer de mama

As mulheres são seres únicos, e devem se ver em sua total importância perante o mundo, assim como responsáveis pela sobrevivência da espécie humana.

São elas, que geram a vida e trazem consigo os elementos principais de sobrevivência. Pensando assim, há de se pensar muito antes de se julgar uma mulher, seja qual o for o delito ou mau comportamento que ela tenha tido. Não que não haja exceções e que, não existam mulheres passivas de atos cruéis, mas de um modo geral, o que vemos ainda nos dias de hoje, é a discriminação falta de respeito na sociedade, incluindo o mundo dos negócios.

Vencer o câncer de mama é não somente sobreviver, mas manter-se viva neste mundo que tanto precisa de presença feminina, para ensinar sobre gratidão, resiliência e doação.

Faça o autoexame, procure seu ginecologista regularmente e previna-se! O tratamento precoce do câncer de mama salva vidas.

october-pink-1718025

MEDICINA ALTERNATIVA

EVITANDO OS REMÉDIOS ALOPÁTICOS

Passamos os últimos anos nos entupindo de tudo o que a ciência criou para curar e tratar doenças. E somos gratos a Deus e aos pesquisadores por isso.

No entanto, precisamos relembrar que há milênios existem muitas alternativas bem mais saudáveis para cuidar do corpo e da mente, usando ervas, frutas, flores e variados tipos de substâncias naturais que podem também ajudar, tratar e curar várias enfermidades.

E tudo isso vem agora à tona com a chegada das alergias alimentares, intolerâncias e a famosa sustentabilidade que o nosso mundo tanto precisa.

precious-1432335

Medicina alternativa

Já há tempos que os chineses, os índios e outros povos usam a natureza para se cuidar e sobreviver. E não é de hoje que muitos terapeutas e médicos também começaram a resgatar tudo isso com os fitoterápicos, florais e receitas caseiras.

Como isso tudo funciona?

A medicina alternativa natural, chamada por alguns de naturoterapia, consiste em alternativas aos tratamentos convencionais, como a alopatia, fitoterapia e terapias holísticas.  Claro que é muito importante avaliar a relação de seu uso com o quadro clínico de cada pessoa.

Essas terapias querem estabelecer um equilíbrio entre os medicamentos utilizados e a conduta emocional do paciente, saindo do tratamento mecânico e sistêmico.

Sim, a medicina alternativa funciona, mas deve-se leva-la de maneira adequada, para que os resultados sejam efetivos e os efeitos colaterais sejam os menores possíveis, mesmo se tratando de uma terapia natural.
Também vale destacar que as terapias naturais são recomendadas apenas em patologias mais brandas, e com consentimento de um médico. No caso de doenças mais graves, ou com alto grau de transmissão, é indispensável o tratamento convencional, já que, além de diminuir os sintomas, impede que a doença se propague entre os demais indivíduos da sociedade.

HISTÓRIA

O pai da medicina ocidental, o médico e filósofo Grego Hipócrates, costumava falar enquanto cuidava de seus pacientes: “o homem é uma parte integral do cosmo e só a natureza pode tratar seus males”. Ou seja, ele desejava mostrar que as causas de doenças eram naturais e não punições divinas como na época se acreditava.

E também, lembrar, que o equilíbrio e a saúde do corpo estão diretamente ligados ao ambiente em que vivemos.

Essa mesma citação volta a aparecer nos dias atuais, ao mesmo tempo em que os métodos alternativos de tratamento se popularizou.

A partir do século 17, quando as ideias do filósofo René Descartes iniciaram a influenciar a ciência, os tratamentos médicos passaram a ver o corpo humano como uma máquina, em que, cada parte tinha uma função específica e independente e entendendo cada parte, entende-se então, o todo. E assim, a medicina moderna ergueu-se baseada nesse conceito que a apoia até os dias atuais.

No entanto, a nova ciência já provou que existe uma íntima relação entre a mente e o corpo, mostrando as consequências dessa relação para a saúde humana. E graças a Deus, enxergaram que isolar uma parte do corpo e desconsiderar o resto, é dado certo para efeitos colaterais inesperados.

Isso não quer dizer que a medicina ocidental ortodoxa se acabou e possa ser enterrada, claro que não. A medicina é sólida e recheada de méritos. E o que é mais IMPORTANTE: independentemente do tipo de medicina aplicada, todos voltaram a enxergar o corpo como Hipócrates. Ou seja, não somos máquinas, e sim, organismos vivos cheios de partes interdependentes.

As técnicas alternativas, como opção ou complemento, não prova que estas sejam por si só eficientes, mas assim como mostra a homeopatia, que é usava há mais de 20 anos, foi estuda e comprovada a sua eficiência em variadas patologias.

CONHECENDO AS TÉCNICAS ALTERNATIVAS

Acupuntura

Esta é uma das técnicas da medicina tradicional chinesa, que consiste na aplicação de agulhas em pontos específicos do corpo. Sua base filosófica indica que esses pontos afetam os diferentes órgãos e estão localizados sobre canais de energia (chamados meridianos) que se espalham pelo corpo. Como muitos desses pontos tem relação com o sistema nervoso e este influencia todo o corpo, essa técnica, apesar de não oferecer sempre resultados a curto prazo, revela-se eficiente contra efeitos colaterais de remédios.

Aromaterapia

Utiliza óleos essenciais de folhas, flores ou madeira para amenizar sintomas e melhorar o bem-estar, estes podem ser inalados, queimados ou espalhados pelo corpo. Esses aromas agradáveis podem liberar hormônios que causam bem-estar, tendo um excelente efeito calmante.

Florais

Os florais de Bach, os mais conhecidos, foram preparados pelo médico inglês Edward Bach, ao final do século XIX, e são indicados de acordo com a análise da personalidade de cada indivíduo, sendo bons em aspectos psicológicos e promovem o bem-estar.

bach-flowers-1472825

Fitoterapia

Consiste na manipulação de plantas e ervas para a cura de doenças e redução dos sintomas. Até a medicina ortodoxa apoia, já que os remédios também têm seus princípios ativos rejeitados e plantas ou outros seres vivos.

Homeopatia

Inventada no século XVIII, no Brasil se tornou uma especialidade médica, no entanto, em outros países ainda é considerada uma medicina alternativa. É muito utilizada contra doenças crônicas como alergias, asma, rinite e enxaqueca.

Ortomolecular

Uma técnica criada por Linus Pauling, Nobel de Química e da Paz, que emprega o uso de vitaminas, aminoácidos e minerais.

Reiki

Rei significa “universal” e Ki, “energia”. Reiki, portanto, é a energia do Universo a ser transmitida a uma pessoa pela imposição das mãos do praticante. A ideia é reequilibrar o corpo energicamente, que seria a causa da doença instalada. Com certeza, reduz em muito a tensão e com ela há uma melhora em todo o quadro.

Para saber mais…

 

O Erro de Descartes – Emoção, Razão e o Cérebro Humano, Antônio Damásio, Companhia das Letras, 1996

Guia Prático da Medicina Alternativa, Steven Bratman, Campus, 1998

Medicinas Alternativas – Os Tratamentos Não Convencionais, Org. Paulo Eiró Gonsalves, Ibrasa, 1996

Medicina Espiritual, Herbert Benson e Marg Stark, Campus, 2003

The Desktop Guide to Complementary and Alternative Medicine, Ernst E., Pittler M.H., Stevinson C., White A.R., Messy, Reino Unido, 2001

Alternativo Healthcare – A Compreensível Glide, Jack Raso, Prometeu Books, EUA, 1994

Fontes: portaldaeducação.com.br – superinteressante.com.br

A força do halterofilismo

weightlifting-2427475_1920Homens fortes e musculosos, mulheres definidas e muito, mas muito bonitas com todas as suas formas esculpidas pelo levantamento de peso (ou halterofilismo), estão por toda parte. E mesmo na atual sociedade em que amar a si próprio e fazer o que ama é um novo conceito de vida, há quem diga que mulher forte é esquisito, mas em que conceito o seu gosto se baseia? Se for apenas particular tudo bem, mas não generalize, tem lindas mulheres halterofilistas, em que nem de longe seus músculos as deixam menos femininas dos que as magérrimas modelos de passarela.

O grande problema da humanidade, e que graças a Deus vem mudando cada dia mais depressa, é a dificuldade de lidar com o diferente, o inusitado, o não formal.

Se pararmos para pensar em liberdade de expressão, nos damos conta, que usar seu corpo como quiser, usar a roupa que desejar, pintar o cabelo de azul, ou seja lá o que for, é liberdade gente! E aonde estão aquelas pessoas que lutaram tanto por isso? Cadê seus seguidores? Estão por aí e nós, aqui da Nem Rude Nem Delicada, apoiamos toda e qualquer liberdade de expressão, desde claro, que não fira a liberdade de outro.

Então vamos voltar ao halterofilismo e entender sobre esse esporte que cresce junto com uma civilização moderna e cheia de expressão.

O halterofilismo ou levantamento de peso olímpico (LPO), é um desporto no qual o objetivo é levantar a maior quantidade de peso possível, do chão até sobre a cabeça, numa barra aonde são fixados pesos.

fitness-1758629

Existem duas modalidades de competição: o arranco e o arremesso, cujo objetivo é desenvolver a potência (força rápida) e também exige técnica, flexibilidade, coordenação e equilíbrio.

No final do século XIX foram organizadas as primeiras competições e a Federação Internacional de Halterofilismo foi fundada em 1905 e instituiu as primeiras classes de peso.

Hoje em dia, o halterofilismo é usado para denominar genericamente outros desportos e treinamentos que envolvem o uso de halteres, como o fisiculturismo e a musculação.

Você sabia que o halterofilismo é o ´nico esporte que possui uma equipe de mulheres das seis nações do Conselho de Cooperação do Golfo? Que inclui a Arábia Saudita, Kuwait, Omã, Catar, Bahrein e Emirados Árabes Unidos.

Os Emirados Árabes Unidos permitiram que as mulheres praticassem o halterofilismo a partir de 2000. Em 2008, a federação do fisiculturismo foi separada do Halterofilismo.

Alguns anos depois foi suspensa a proibição do véu durante a competição, abrindo assim, as portas do esporte para as atletas muçulmanas. Uma pena que o esporte ainda tenha baixo financiamento, já que o estigma contra atletas do sexo feminino ainda é grande.

Regras básicas e fundamentos do halterofilismo

  • As competições ocorrem sobre um tablado de 4×4 metros. Quem levanta mais peso, ganha, assim como que quem deixa a barra cair, está desclassificado.
  • Todos os atletas de uma mesma categoria competem juntos até o limite de 17 competidores, quando nesse caso, são formados dois grupos.
  • Cada levantador pode realizar três tentativas no arranco e no arremesso, e toma-se como resultado oficial o maior peso levantado em cada modalidade.
  • O arranco é o ato de levantar a barra em um só movimento desde o chão até a completa extensão dos braços acima da cabeça.
  • No arremesso, a barra é levantada em dois tempos, com uma parada obrigatória na altura do peito.
  • Pegando-se então o resultado das duas modalidades, quem tiver o maior total é o vencedor da categoria.
  • No caso de empate, ganha o que é menos pesado em sua categoria.

Categorias masculinas no halterofilismo

  • Até 56kg / 62kg / 69kg / 77kg / 85kg / 94kg / 105kg e mais de 105kg

weights-817635_1920

Categorias femininas no halterofilismo

  • Até 48kg / 53kg / 58kg / 63kg / 69kg / 75kg e mais de 75kg
  • São três árbitros trabalhando na competição. Eles são encarregados em determinar se os levantamentos foram válidos ou não.
  • São válidos os levantamentos feitos com os pés alinhados e o peso relativamente estabilizado.

Esporte fascinante, é muito antigo e tem uma grande adesão tanto de homens, quanto de mulheres. O grande objetivo é superar a si mesmo e ao seu corpo e para isso treinam muitas horas durante anos, para então poder chegar a competir profissionalmente.